OLHOS DE POETA

O poema não tem parto.
Parte ao meio-dia,
No meio do dia, de vidas ao meio.
Renasce em versos perdidos,
Em perdidos sentimentos não sentidos,
Nos sentidos não visíveis.
Nas alegrias descontentes.
Nos sonhos rompidos por pesadelos.
Nas vidas vividas em solidão.

Sim! O poema não nasce.
É expelido pelo peito do poeta confuso,
Em confusas maneiras, em perdidas horas,
Na sã e vã agonia de rever o passado,
Que nunca vivera e, talvez, nunca viverá.

O poema absorve as dores mais sombrias do poeta,
Os pensamentos mais ambiciosos,
Os amores impossíveis,
As vidas não vividas,
As horas, todas, perdidas em sonhos e agonias,
Em desejos e anseios despertos nas horas vazias,
Nos peitos vazios, nos sentimentos vazios.
Sim! A poesia é exposta em galerias frias,
Como as frias vidas sem vidas,
Em horas recheadas de sofrer, penar e desfazer malas de sonhos,
Sim! Toda poesia nasce sem vida das veias que sangue não circulam,
Dos poetas egocêntricos, narcisista ou melancólicos.

O poema é uma forma de conversa, a qual o poeta
encontrou para conversar consigo mesmo,
E com todos os “consigos mesmos” dos corações humanos.
Toda poesia nasce morta, e vive nos lábios sedutores
De quem os recitam, nos ouvidos atentos de quem os ouvem.
Nos olhos úmidos de quem os lê.
Nos sonhos inocentes das meninas em flor.
Na malícia inocente dos meninos em pétalas da dor.
Nos sorrisos dos amantes, nos corpos e mente das mulheres.
Entre copos de vinhos com os amigos.
O poema nasce e morre milhares de vezes ao correr do dia.
E o poeta carrega em suas entranhas o ponderar e todo peso do mundo.
Em suas frágeis vistas castigadas com que seus olhos desiludos, apaixonados,
ou melancólicos teimosamente viciados em enxergar,
Abortam palavras, sentimentos ou a vida.

Anúncios

6 Responses to “OLHOS DE POETA”


  1. 1 Rita julho 23, 2007 às 5:49 am

    Maravilhoso esse olhar sobre a poesia
    Traduz com exatidão isso que às vezes me parece uma sina e já em outras, uma benção.
    Mas viver em poesia é isso, o morrer e o renascer da alma, no abrigo das palavras, pelo nosso sentir e o sentir de cada leitor.
    Belíssimo! Um forte abraço.

  2. 2 Jussara julho 28, 2007 às 2:22 am

    Quem nunca criou sonhos…
    Amei!

  3. 3 Li Moretti junho 8, 2008 às 4:34 pm

    Amei seu poema……sua sensibilidade…emociona

  4. 4 israel abril 19, 2011 às 6:43 pm

    gostei do poena muito bom

  5. 5 israel gomes abril 19, 2011 às 6:44 pm

    gostei do poena

  6. 6 olhosdepoetablog junho 23, 2012 às 8:29 pm

    Muito sensível! Gostei imenso!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




julho 2007
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Categorias

Acesso número:

  • 124,995 Páginas vistas.

%d blogueiros gostam disto: