Arquivo para agosto \14\UTC 2008

Fragmentos

Sobre a mesa, fragmentos de uma história incompleta. Vestígios de um enorme mosaico a colorir imersos labirintos de sentimentos e sonhos. Entre rascunhos de cartas nunca terminadas e fotos a provar que tudo não passou de um devaneio juvenil, ainda restava a esperança ímpar de tentar reencontrar a velha forma, o velho jeito, a mesma paz dominante de um coração em trégua. Fórmulas e fenômenos comprovados pela ciência lógica e exata. Inexatos momentos de distração e aborrecimentos: em um segundo de cegueira insana pôs tudo a perder. E tão pouco tinha em mãos.

Nada era exato, apenas a incerteza de que dois corpos não ocupam num instante o mesmo espaço físico. De seu plano físico, a certeza de que mãos e sussurros eram os desejos possíveis. Impossível prevê o momento adequado de tudo. Matematicamente tentara prever o próximo passo, o próximo lance, a próxima sorte. Como se a vida fosse projetada, como se tudo estivesse escrito em longos e volumosos calhamaços de papeis velhos e amarelados. Destino? Eternidade? Como se tudo fosse em vão. Às vezes o óbvio cega as retinas costumadas a enxergar os velhos preceitos. Às vezes, como um sonho, nada é o que parece ser. Ou pertencem a algo que não podemos sentir?

Como agrupar constelações e se manter ileso? Como passar por uma tormenta sem um arranhão? Como se entregar sem deixar o coração ditar as regras? Como cair sem pôr os pés no chão? Ensina-me a enxergar pelas seus parâmetros e desejos. Deixe-me ser o que sempre fui. É a única maneira que sei viver. Não! Não me deixe acostumar com a minha ausência. Não me deixe esquecer meus gostos, meus medos, meus traumas, tudo que me tira a paz. Não roube meus desejos mais secretos. Deixe-os guardados e calmos no canto que os escondi. Deixe os meu suspiros e arrependimentos em tranqüilidade aparente. Não é a hora exata? Não somos exatos! A exatidão me aborrece. A compreensão me deprime. Sua solidão me enlouquece.

Na corda bamba

Sobre todas as coisas em cima da mesa, pedaços de passados esquecidos nos labirintos da memória. Todos os gestos e manifestos o seu nome estampa em letras colossais. A sua saudade me devora aos poucos. Envelheci décadas de evolução cármica nestas últimas semanas. Meus passos confusos confundiram-se com as idéias turvas que rodeiam minha mente. Agora, sorrio uma risada amarela, sem graça e sem esperança. Desde que partiu, algo sem conserto se quebrou dentro de mim. Em milhões de pedaços, sua imagem reflete a incompreensão de nossos tempos. A paz sonhada deu vazão aos sonhos atormentados.

A fé cega e inexata é uma forma de ópio, uma espécie de morfina da era mediada pelos bombardeios comerciais e hedônicos. Pós-modernos tempos de solidão acompanhada da virtualidade. As palavras se esvaem em discursos burocráticos sem sentidos. A supervalorização da forma desinforma o valor real do conteúdo.

Em cima da cama, meu corpo vela noites de insônia e medo da solidão. Restos depositados sobre a cabeça se desfazem em milhões de respostas em uma única pergunta a martelar a que sobrou de uma consciência inexata. Sombras e luzes decoram a parede dos fundos de minha alma. Destes anos de exílio embrionário, sua sutil lembrança torna mais leve os dias maquinais.

Perto do fogo, aquecido pelo calor que escorre de seus poros. Fotos e fatos que contam narrativas terríveis. Perto de seus braços, longe de uma paz esquecida. Quanto tempo faz? Dois dias sobre os mesmos relatos repetidos de sempre. A sonhada eternidade alcançada em tantas páginas viradas e recomeços. Alguns pensamentos esquecidos. Sonhos depositados em outros braços.

Tremo de pavor no outro dia, na mesma hora. A solidão, desde cedo te devora. Você não pode suportar a hora de arriscar. Perder-se em vidas, em dias e mapas traçados pelos devaneios dos destinos tortos. Não adianta, as horas não passam. Os dias não passam, a dor não cessa. As cores não borram. As almas não dançam a valsa vienense da madrugada fria. Nas estrofes de uma ópera, piratas e canções concluíam seu carnaval.

Mar de semáforos sobre os olhos. Vias interditadas e nada que possamos fazer sobre o caos que está à frente. A paz esquecida e o amor desfeito enfeitam nossas cabeças e cabelos cortados ao modismo da vez. Dentro de nossos peitos adormecem dores e pecados não cometidos. Reconheci as canções que você não ouviu. Escrevi cartas que nunca foram enviadas. Ouvi suas palavras não ditas.

No escuro do mar, fragmentos de luz se escondem de nossas percepções. Em caleidoscópios, deixamos que o tempo guie nossos passos difusos. Confusão inspirada pelos relatos gerados por terminadas guerras impróprias. A revolta contida em seus planos, a falta de sentido em seus trajetos, a saudade devorada em obras consagradas da literatura, a ilusão projetada em salas de cinema, a paixão pela música, a ausência de uma trilha sonora, a revolta, a conquista, a tragédia, a perda, a falta que você me faz.

Sobre todas as coisas, o inexato resultado cativa o desconhecido. Enquanto sorri, o sol não brilha mais no céu d’Espanha. Uma lágrima congelada a cristalizar a eternidade de uma dor latente. Preso em um labirinto por necessidade, sou atraído ao seu brilho raro e único. Vidas divididas em antes e depois de um momento catalisador. Como prever o epicentro de um furacão?

Que a morte do que acredito e me inspiro não seja o fim absoluto do que desejo. Que meu desenho inexpressivo continue a colorir mesmo quando acabar a dança, mesmo quando acabar o fogo. Que os versos rotos que alinho sejam um presente a dois corações embebedados de carinhos e ternuras. Que o sol a brilhar nas manhãs chuvosas tenha força para radiar os corações cinzas.

Como se não fosse tão longe. Como se sonhos nascessem do ar. Como se faz com muito cuidado, com o medo que não se pode acalmar. Caminhar em corda bamba de olhos vendados e cair como se fosse em astros distraídos pelo correr da eternidade em chamas. Ouço nos clarins da noite escura seus berros de agonia e desespero. Um passo para o destino e outro para a solidão.


agosto 2008
S T Q Q S S D
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Categorias

Acesso número:

  • 124,583 Páginas vistas.